//
você está lendo...
Todos os Posts

Privatizada de novo

Vinte anos atrás, em 1997, a Companhia Vale do Rio Doce deixou de ser estatal. Seu controle acionário foi vendido a um consórcio que se formou pela associação de fundos federais de pensão, à frente o Previ (dos funcionários do Banco do Brasil, o maior de todos) com o Bradesco, a japonesa Mitsui e uma subsidiaria do BNDES, a BNDESpar. Hoje, reunida no Rio de Janeiro, a assembleia geral extraordinária da empresa decidiu privatizá-la de vez.

O novo arranjo societário parece complicado, mas é simples. O consórcio Valepar possuía 53,8% das ações com direito a voto, mas só detinha 33,7% do capital total da Vale. Extinta agora a Valepar, a sociedade se desfaz e cada um dos acionistas passam a ter poder decisório equivalente à sua participação societária na companhia.

Com uma diferença fundamental: eles – como todos os demais investidores que detêm esse tipo de papel –poderão converter, querendo, ações preferenciais classe “A”, que “apenas” têm preferência no recebimento de juros e dividendos, em ações ordinárias, que conferem direito a voto em assembleia, na relação de 0,9342 ação ordinária por cada ação preferencial.  Gastando menos, terão mais ações do que tinham. E maior poder decisório, é claro.

Por vias e travessas, a mudança põe fim ao hibridismo de uma empresa privada na qual o governo é que continuava a decidir. Essa ambiguidade foi escancarada quando o então presidente Lula entrou em conflito com o presidente da Vale, Roger Agnelli, o que mais tempo permaneceu no cargo, durante 10 anos.

O conflito, mais intenso nos bastidores do poder do que nos atos corporativos da Vale, prosseguiu na administração Dilma Russeff. Agora, a companhia estaria livre de interferências governamentais, ao menos as diretas. Com esse propósito, a companhia se integrou às regras do segmento especial de listagem da B3 (antiga BM&FBovespa), o Novo Mercado, que é um segmento com regras mais rígidas de governança corporativa.

A mudança não é só na cúpula da mineradora, a maior vendedora interoceânica de minério de ferro do mundo, sobretudo para a China. O minério é o segundo produto da pauta de exportação brasileira e o Pará o lidera. Os pequenos investidores com ações preferenciais, que optaram pelos papéis em busca de maior e mais rápida rentabilidade, também poderão trocá-las por ações ordinárias. A massa desses acionistas está nos Estados Unidos. Assim, a Vale também se internacionaliza mais um pouco.

Anúncios

Discussão

Trackbacks/Pingbacks

  1. Pingback: E vão vendendo o que sobrou da Vale… | O Palheiro - 28 de junho de 2017

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: