//
arquivos

Arquivo para

Alunorte: sem expansão

(Artigo publicado no Jornal Pessoal 309, de outubro de 2003) As obras de ampliação da Alunorte, no valor de 582 milhões de dólares (aproximadamente 1,7 bilhão de reais), estão temporariamente suspensas. A empresa, que pretendia elevar sua capacidade de produção – dos atuais 2,4 milhões de toneladas para 4,2 milhões de toneladas anuais – já … Continuar lendo

Deus e o diabo no subsolo do sol

(Publicado no Jornal Pessoal 308, de setembro de 2003) Este é o prefácio que escrevi para meu 10º livro, CVRD – A sigla do enclave (Cejup,256 páginas, R$ 25), lançado na semana passada, que inaugurou a coleção Amazônia.doc da editora. Todos concordam que nenhum Estado brasileiro tem o potencial de grandeza do Pará, o mais … Continuar lendo

Falta de energia

(Artigo publicado no Jornal Pessoal 307, de agosto de 2003) A declaração feita em Belém pelo presidente da Vale do Rio Doce, Roger Agnelli, de que a empresa não pode avançar na verticalização do aproveitamento do minério de Carajás por falta de energia tem um endereço certo: pressionar o governo federal para aceitar a renovação … Continuar lendo

 Atraso

(Artigo publicado no Jornal Pessoal 307, de agosto de 2003) A grande imprensa nacional anunciou, no dia 15, que a Companhia Vale do Rio Doce decidiu antecipar para o primeiro trimestre de 2004 a expansão da produção de Carajás, antes programada para 2005. Dos atuais 56 milhões de toneladas anuais, o chamado Sistema Norte passará … Continuar lendo

Retrato da ambiguidade

(Artigo publicado no Jornal Pessoal 307, de agosto de 2003) Enquanto se tornava persona non grata no Pará, alvo da maior campanha de críticas a uma só empresa da história recente do Estado, a Companhia Vale do Rio Doce acumulava trunfos nacionais e internacionais invejáveis. A CVRD registrou lucro líquido recorde, de 2,4 bilhões de … Continuar lendo

Os bwanas do sul

(Artigo publicado no Jornal Pessoal 303, de junho de 2003) Mesmo quando tentam ser solidários com seus irmãos nortistas, certos intelectuais sulistas não conseguem livrar-se do sentimento de superioridade que viver na parte mais moderna e rica do país lhes incute. A arrogância, combinada com o preconceito, acaba ditando alguns de seus atos falhos. Foi … Continuar lendo

O parto do nascimento

Se depender da Companhia Vale do Rio Doce, o Pará continuará a crescer aceleradamente em termos quantitativos, mas o ganho qualitativo será baixo. As curvas do crescimento econômico e do desenvolvimento humano, nessa progressão, continuarão a seguir a trajetória atual: distanciando-se um do outro. Este pode ser o resumo do primeiro debate público da empresa … Continuar lendo