//
você está lendo...
Todos os Posts

Alumínio: só o metal

(Artigo de maio de 2010)

 

Ao contrário do que pensam os “estrategistas paraenses”, a venda das empresas de alumina e alumínio de Barcarena e da jazida de bauxita de Paragominas à Norsk Hydro, em 2010, não vai impedir a verticalização do alumínio. Acontecerá exatamente o inverso, proclamou Roger Agnelli, presidente da antiga Companhia Vale do Rio Doce, em entrevista exclusiva a O Liberal.

A matéria, como todo o noticiário do jornal já divulgado sobre a questão, limita-se a repassar a resposta de Agnelli, um dos maiores anunciantes da folha dos Maiorana, a esses “estrategistas”.  Quem eles seriam, ninguém sabe; o tema foi pouco noticiado na mídia e quase nenhuma repercussão teve na opinião pública, apesar da sua relevância, provocando apenas um discurso do deputado Zenaldo Coutinho, do PSDB, no plenário da Câmara Federal.

Ele tem toda razão – e nenhuma. A produção de alumínio da Albrás, que estancou em 460 mil toneladas há vários anos, deverá crescer. Mas é pouco provável que isso venha a ocorrer no Pará ou mesmo no território brasileiro. Talvez a Albrás até venha a ser fechada, conforme uma das especulações surgidas depois da transação com a empresa norueguesa. O motivo poderia ser o que Agnelli apontou: o alto custo da energia.

Ele disse que a Albrás, consumindo 800 megawatts de energia (é a maior consumidora individual do Brasil), paga à Eletronorte 45 dólares por MW. É 20% mais do que a tarifa máxima prevista para a hidrelétrica de Belo Monte.

A conta de energia da Albrás, que compra um grande bloco (uma vez e meia mais energia do que toda Belém), seria de US$ 26 milhões ao mês (mais de US$ 310 milhões ao ano). O custo da energia teria o peso de US$ 675 em cada tonelada de lingote produzida pela fábrica.

Significa que o preço de venda teria que ultrapassar US$ 2 mil por tonelada para ser rentável, o que não estaria acontecendo, embora, desde novembro do ano passado, o preço do alumínio experimente recuperação no mercado internacional, voltando a superar esse patamar.

Em outros lugares a energia está mais barata. A Norsk Hydro, por exemplo, teria 12 hidrelétricas ociosas espalhadas pelo mundo, em condições de serem ativadas para produzir alumínio – mas não, evidentemente, em Barcarena. A nova proprietária podia manter a fábrica paraense apenas por uma questão política e estratégica, ou para atender aos japoneses, que ficam com 49% da produção, em função de sua participação societária (mas podem fazê-lo através de outra unidade, bastando garantir quantidade e preço contratuais). A Norsk poderia também abrir mão da produção de metal no Pará, como já vem fazendo na própria Noruega, desativando produção que é onerada pelo peso da energia.

Ainda mais se vierem a ter procedência as versões de que Dilma Rousseff, se eleita sucessora de Lula, promoveria uma reestatização em alguns setores da economia brasileira, incluindo o metalúrgico. Esta teria sido uma das motivações da Vale para se desfazer de toda a área do alumínio.

Esses boatos podem também não passar de balão de ensaio ou manobra diversionista diante da realidade de que, independentemente de suas motivações, a transação, no valor global de quase US$ 5 bilhões, significa uma involução no processo produtivo brasileiro, ou, mais especificamente, paraense.

A verticalização, que antes existia (ou era tentada) em território estadual, agora vai se realizar internacionalmente. O Pará atuará apenas – ou com maior ênfase, se a Albrás for preservada – nas etapas anteriores, de produção de bauxita e de alumina, em escalas crescentes.

A Norsk Hydro disporá de uma das maiores jazidas do minério, s de Paragominas, e com direitos de saque em outra, a do Trombetas, que poderão chegar a 45% do total (ela já tem 5% e poderá contar com os 40% da Vale, que não lhe pode transferir essas ações por norma contratual, mas pode lhe repassar o minério).

Assim, a empresa norueguesa terá algo como 15 milhões de toneladas de bauxita, o suficiente para suprir integralmente a Alunorte, a maior fábrica de alumina do mundo. Agora poderá desenvolver ao lado dela outra fábrica do mesmo porte, a Companhia de Alumina do Pará (CAP), que a Vale também vendeu à Dubala (Dubai Aluminium), empresa dos Emirados Árabes Unidos, que pretende se tornar a maior produtora de alumínio do mundo.

Nessa verticalização, o Pará funcionará como escada para projetar bem mais longe a multinacional norueguesa, agora com 22% de suas ações em poder da multinacional brasileira, que irá faturar financeiramente sem se envolver com as questões de produção.

Melhor para ela, pior para nós.

Anúncios

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: