//
você está lendo...
Todos os Posts

Eu sou amazônida. E você?

Espero que este texto anime os integrantes deste blog a participar mais ativamente das discussões, que são a sua razão de ser.

 

Em 1984 voltei de uma temporada de estudos nos Estados Unidos disposto a fazer o mais crítico acompanhamento possível da construção da hidrelétrica de Tucuruí, a quarta maior do mundo, que estava na sua fase final, antes do enchimento do reservatório. Escrevia todos os dias sobre o tema na coluna de opinião que assinava em O Liberal.

A Eletronorte, responsável pela obra, não suportando a cobrança diária, se comprometeu a me avisar em tempo de estar em Tucuruí para o início da formação do lago artificial, o segundo maior do país, com 3 mil quilômetros quadrados. Mas não cumpriu a palavra.

Informado por outra fonte de que a última adufa se fechara, finalizando o represamento, fretei um táxi-aéreo em Belém e voei imediatamente para Tucuruí. Um engenheiro da Eletronorte já me esperava no aeroporto (operado pela empresa, que tudo controlava) quando o avião aterrissou.

Mandei tocar direto para a usina. De um ponto elevado divisei a paisagem: o Tocantins a jusante já sem o suprimento da água de montante e a enorme estrutura de concreto segurando aquele riozão, com mais de dois mil quilômetros de extensão, o 25º maior rio do planeta. Ali, o homem estava desafiando a natureza. Estancara o movimento natural daquelas águas pela primeira vez em milhões de anos.

O choro, mais forte do que eu, veio sem controle. Ao meu lado, o engenheiro Washington não sabia o que fazer. Por que eu chorava? Porque ali, naquele momento, diante de uma incrível obra do homem, ao mesmo tempo maravilhosa e diabólica, eu senti outro rio pujante a fluir pelas minhas veias de caboclo das margens alvas do belo Tapajós.

Uma das minhas fontes vitais, a água (mas não uma água qualquer: aquela água cristalina e refrescante da minha infância feliz), estava irremediavelmente tocada – e alterada – pela mão do homem, humana máquina, deus ex-machina.

Foi um dos momentos mais fortes e reveladores da minha vida. Refeito do choro, mirei o engenheiro da Eletronorte e ordenei: siga-me! E foi um tal de subir e descer escadas de adufas, dezenas, centenas, até que Washington, menos preparado para a tarefa hercúlea, bateu lona: “Juro que todas são iguais, não precisamos examiná-las por inteiro”.

Eu sabia disso, claro. Mas queria aplacar a minha fúria de caboclo, ludibriado pela grande empresa, como de regra, vítima de sua agressão supostamente bem intencionada. Começávamos o ciclo das grandes hidrelétricas. Os rios jamais voltariam a ser os mesmos.

A partir daquele momento, deixariam de ser caminhos naturais, abrigo aquoso dos nossos mergulhos, cúmplice dos amores que juramos como botos na fímbria das águas ou aturados sobre as areias sem igual das nossas praias.

Vivi situação semelhante, em outro contexto, no meu querido Tapajós. Foi em 2009,  ao deparar com fotos aéreas produzidas pelo Greenpeace sobre áreas de floresta que os plantios de soja substituíram. Senti a mesma dor no coração.

Como estava apenas virtualmente no cenário – e não de corpo presente, como em Tucuruí – desta vez não chorei. Mas talvez tenha sido pior. A lágrima alivia, consola, acalma. Sem ela, estamos entregues ao pleno domínio da consciência. E a lucidez dói muito na Amazônia, sangra no Pará, aniquila no Tapajós.

Neste exato instante, a discussão sobre o significado da substituição da floresta amazônica por novos cultivos, embora necessária, não é o que mais importa. Ela terá que vir – e logo. Mas no impacto da instantaneidade, o que conta é a dor.

Aquela paisagem, antes dominada por árvores de copas gigantes e com raízes de anão, agora reduto de rasteira vegetação homogênea, de planta exótica, fere a alma, quebra a unidade, rasga a identidade, é pura e bestial violência, como diriam nossos antepassados portugueses.

Amazônidas, somos filhos da água e da floresta. Temos 12% da água doce superficial da Terra e um terço de suas florestas tropicais remanescentes, que são as mais ricas em biodiversidade desta nossa Gaia. Água e floresta se formaram e nos antecederam desde milhões de anos atrás. Há uns oito mil anos – ou mais – os primeiros descendentes do Homo Sapiens se estabeleceram às margens desses ciclópicos cursos d’água e à sombra dessas árvores sem igual.

Durante 7.500 anos a espécie humana conviveu com os elementos naturais num cenário de harmonia (o “paraíso perdido” que Euclides da Cunha procurou no século XX). Nos últimos 500 anos esse organismo harmônico, formado por homens, árvores e água, se tem desintegrado. Nos últimos 50 anos desse meio milênio o processo de destruição dos elementos naturais foi avassalador.

Nunca o descendente do Homo Sapiens, ao longo de uma trajetória de 20 mil anos, destruiu tanta floresta quanto na Amazônia neste último meio século. E nunca desperdiçou tanta água, seja ela em si como em suas extensões utilitárias, especialmente na forma de energia.

Quem disse que precisa ser assim? Quem determinou que não pode ser de outra maneira senão assim? Quem apurou que desta maneira, substituindo o reino da floresta por novas práticas agrícolas e supostamente silviculturais, nos desenvolveremos e seremos felizes?

Não fui eu, é claro. Eu não aprisionaria um rio de dois mil quilômetros por uma barragem de 75 metros de altura para fazê-lo refluir sobre suas águas 200 quilômetros, submergindo três mil quilômetros quadrados, cobertos, sobretudo, por vegetação.

Ali foram acumulados de mais de 50 trilhões de litros de água, para transmitir energia por centenas de quilômetros até grandes consumidores, que pagam uma tarifa inferior à de custo (e, ainda assim, relativamente cara em comparação ao que seria viável por outro caminho de engenharia e outros padrões de gestão no serviço público).

Caboclo do Tapajós, eu não mandaria derrubar árvores de 50 metros de altura, congregadas num mutualismo sem paralelo, uma na dependência e na complementaridade da outra (processo que malmente começamos a conhecer, com um sentido que ainda nem somos capazes de divisar). Derrubar para em seu lugar fincar plantas de uma complexidade fisiológica, genética e biológica em geral que guarda, em relação à floresta, ordem de grandeza de uma gota de água no oceano.

Ficaremos mais ricos e mais desenvolvidos com essas novas culturas? Du-vi-de-o-dó, como dizíamos antes de só repetirmos a sintaxe da TV Globo. Mas, se ficarmos, não será a gente amazônica a beneficiada. Desapareceremos enquanto seres amazônicos, filhos da floresta e da água, últimos dos moicanos em uma cultura que não é o produto da mecânica de sempre: do desmatamento.

Por que não podemos erguer a cultura da floresta, não como uma etiqueta abstrata nem como um presente de deuses internacionais (mesmo que sejam guerreiros da paz verde), mas como uma opção inteligente do Homo Sapiens do século XXI? Por que não podemos continuar tentando comandar a nossa vida, pelos nossos padrões, conforme o nosso sentido?

Uma avaliação simples, mas nem por isso destituída de significado, feita em 2009, calculou em 1,6 trilhão de dólares o valor dos minérios depositados no subsolo amazônico. Pelo padrão de exploração da época, de US$ 3,4 bilhões de renda gerada pelos produtos de origem mineral, seria riqueza capaz de garantir essa renda durante 500 anos. Mas a biodiversidade era calculada, por esses mesmos analistas, em US$ 4 trilhões.

Por que, então, não dar uma trégua na expansão das frentes econômicas para prepararmos uma exploração racional e permanente desse tesouro produzido pela natureza amazônica? Por que vender o lauto almoço para ter o magro jantar? Por que não três boas refeições diárias, sem exaurir a dispensa?

Em 2007 quase chorei de novo ao ver as fotos de manchas de barro e produto químico drenando para o Tapajós por seus afluentes e igarapés, sangrados a partir dos garimpos de ouro. Há mais de meio século eles surgiram no alto rio, acima de Itaituba, como a redenção de Santarém. Garimpeiros enriquecidos apareceram na cidade a comprar terrenos e casas, a montar negócios, a gastar a rodo. O que sobreviveu dessas várias ondas de “bamburros”? A soja é esse novo ouro? E nós, somos o quê?

Eu sou o caboclo que chora seu rio aprisionado e sua floresta derrubada. Chora, se indigna, reage e escreve um texto como este, pedindo aos novos bwanas que cheguem-se a nós, sejam mais um de nós, mas como nós, que somos amazônidas.

E o que é ser amazônida? Foi o que um valente advogado paranaense (futuro presidente da Funai) me perguntou em 1990, quando participávamos, em Paris, da sessão do Tribunal Permanente dos Povos dedicada à Amazônia. “Somos todos brasileiros. Não existe esse negócio de amazônida”, insistiu o advogado, que se aproximou de mim, aflito, quando usei essa expressão na minha exposição aos membros do tribunal. Ele temia que eu estivesse sugerindo (ou propondo diretamente) que éramos um país dentro do país; que quisesse proclamar a independência da Amazônia do Brasil.

Formamos, sim, o mesmo país. Mas não somos iguais. Primeiro, porque somos o Brasil tardio, a última região que se tornou brasileira no Império (e, ao tentar se integrar, durante a Cabanagem, foi reprimida brutalmente pelo governo do Rio de Janeiro). E que permaneceu à parte até o advento da República, como se fosse um anexo nacional.

Segundo, porque somos uma região dominada pela floresta num país de bandeirantes, quase sinônimo de preador de gente e predador de mata. Somos a última possibilidade de civilização florestal. Não só no país, é bom acrescentar: na história do gênero humano.

Queremos o Brasil aqui conosco, partilhando nossa rica história, tão ou mais exuberante do que a de qualquer outra região do país. Mas queremos que os brasileiros, reconhecendo nossa condição de amazônidas, queiram ser amazônidas como nós, ao invés de combater esse nosso ethos.

Prometemos ser também bons brasileiros, fazendo a fusão que criará um novo e glorioso capítulo na história da humanidade, sem rios violentados e árvores desbastadas. Um Brasil verdadeiramente amazônida e uma Amazônia genuinamente brasileira.

Por que não a utopia em Santarém? E em Belém, Manaus, Rio Branco, Porto Velho, Juruti, Carajás? Sem utopia, a Amazônia será uma sucessão de fotos lancinantes na parede. E como elas doem!

 

Anúncios

Discussão

5 comentários sobre “Eu sou amazônida. E você?

  1. “Vivi situação semelhante, em outro contexto, no meu querido Tapajós. Foi em 2009, ao deparar com fotos aéreas produzidas pelo Greenpeace sobre áreas de floresta que os plantios de soja substituíram.
    Senti a mesma dor no coração.Amazônidas, somos filhos da água e da floresta. Temos 12% da água doce superficial da Terra e um terço de suas florestas tropicais remanescentes, que são as mais ricas em biodiversidade desta nossa Gaia. Água e floresta se formaram e nos antecederam desde milhões de anos atrás. Há uns oito mil anos – ou mais – os primeiros descendentes do Homo Sapiens se estabeleceram às margens desses ciclópicos cursos d’água e à sombra dessas árvores sem igual.”
    Suas razões como Amazônida tem duas coisas que eu não concordo: 1- Aliar-se ao “greenpeace” que saiu das entranhas da Europa destruída, para fornicar em terras brasileiras. 2 – Se a água não for prioridade do homem para seu uso como fonte de vida e energia para que fins os amazônidas o deseja. Que tal cortarmos a energia que ilumina nossos lares, que movem nossos veículos, acabarmos com a soja fonte de alimento do Homo Sapiens e voltarmos ao primitivismo do Homo Neanderthal.

    Publicado por GERALDO FABIO EVANGELISTA RABELO | 7 de setembro de 2012, 1:55 pm
  2. Nunca apoiei o Greenpeace. Já critiquei abertamente a atuação que teve no caso da exploração de madeira pela C. R. Almeida no Xingu, acabando por fazer o jogo do grileiro, embora declarando-se contra ele. Nunca disse que sou contra o uso da água para gerar energia na Amazônia. Sou contra barragens de alta queda e produzir energia apenas para transferi-la para consumidores de outras regiões, o que impõe longas linhas em alta tensão, caras e dispersadores de energia, e barragens de alta queda. Não sou contra a soja. Sou contra a soja em área de floresta. Soja, só sem derrubada de mata. Sou, por princípio, contra as monoculturas intensivas na Amazônia, todas elas. Uniformizar a diversidade, o maior patrimônio genético da nossa região, o que mais valor lhe agrega, é violentá-la, desnaturá-la e empobrecê-la.

    Publicado por Lúcio Flávio Pinto | 7 de setembro de 2012, 6:22 pm
  3. Lúcio, seu artigo é primoroso. Mas sempre achei, quando se fala do tema de barragens e energia em Tucuruí e nos demais rios da região, que se omite a extensão desta energia que é “dada” a mineradoras estrangeiras que vêm se apropriar, conluiadas com alguns poucos brasileiros, dos minérios amazônicos, sem que os demais brasileiros se beneficiem, como as mineradoras, seja da energia, seja da exploração mineral. Destaque-se que somos nós que pagamos, primeiro a conta da execução da infra-estrutura, e isto sempre foi feito com Dívida Pública, vale dizer, os demais brasileiros vamos ter pagar a conta toda, que beneficia principalmente bancos, empreiteiras e mineradoras em absurda escala de valor e deixa, a final, buracos no chão, riquezas destroçadas e a conta da Dívida para os demais.
    Ponha em valores destacados estas contas e teremos uma visão real e não deturpada, da situação.
    Quanto ao patrimônio genético da região, nem dá para falar deste crime, se não alterarmos o rumo da Nação.

    Publicado por luizc | 7 de setembro de 2012, 10:33 pm
  4. Caro Luiz.Meu primeiro artigo sobre mineração data de 1967, quando eu tinha 18 anos, depois de visitar a Icomi (exploração de manganês), no Amapá. Desde então, já escrevi alguns milhares de textos a respeito, além de livros. Faça uma consulta com meu nome no Google, que só tem os artigos mais recentes. Não vou repetir o que já disse tantas vezes. O maior problema, porém, no aspecto da energia, não são as mineradoras, mas as metalúrgicas de alumínio. Albras e Alumar, as principais consumidoras de energia da hidrelétrica de Tucuruí, representam 2% do consumo de energia de todo Brasil. A Albrás absorve uma vez e meia mais energia do que Belém inteira. Teve subsídio num contrato inicial de 20 anos que representou uns US$ 2 bilhões. E continua a usufrui de vantagens tarifárias no contrato atual, em vigor por 20 anos a partir de 2004. Em quatro livros tratei disso. Não sou omisso a respeito, pelo contrário. Muito pelo contrário.

    Publicado por Lúcio Flávio Pinto | 8 de setembro de 2012, 10:34 am
  5. Amozônidas E Brasileiros. Brasileiros E Amazônidas.
    Bravo!

    Publicado por Arthur | 8 de setembro de 2012, 11:22 am

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: