//
você está lendo...
Todos os Posts

Carajás: Itabira sem Drummond

Certo dia, o mais famoso filho de Itabira chegou à sacada da sua casa e não viu mais a serra em frente. Serra que fora do seu pai, do seu avô, “de todos os Andrades, que passaram/ e passarão, a serra que não passa”.

Serra essa que era “coisa de índios”, tomada pelos brancos “para enfeitar e presidir a vida/ neste vale soturno onde a riqueza/ maior é a sua vista a contemplá-la”.

Deveria ser uma vista eterna. O pico do Cauê, todo de ferro, do melhor minério do planeta, era capaz de soprar “eternidade na fluência”.

Mas eis que, em dada manhã, o poeta Carlos Drummond de Andrade olha e não vê mais a serra dos índios e dos muitos Andrades. A forma eterna de ser em ferro fora desmontada, “britada em bilhões de lascas,/ deslizando em correia transportadora/ entupindo 150 vagões,/ no trem-monstro de 5 locomotivas/ – trem maior do mundo, tomem nota”.

Indignado, o poeta ordena em versos: “foge minha serra vai,/ deixando no meu corpo a paisagem/ mísero pó de ferro, e este não passa”.

Se tivesse nascido em Parauapebas, no Pará, como reagiria aquele que muitos consideram não só o maior poeta de Minas Gerais, mas do Brasil? Sua serra acabou como “um retrato na parede, e como dói”. Deixou como herança um hábito, bem itabirano, “de sofrer que tanto me diverte”, reconforta-se o vate mineiro.

Foi a partir de 1942 que Itabira começou a ser explorada por aquela que se tornaria a maior mineradora de ferro do mundo, a segunda maior das mineradoras em geral, a maior empresa privada do continente latino-americano e a maior exportadora do Brasil: a Companhia Vale do Rio Doce.

Vale que ajudou a devastar a bacia do rio Doce, que lhe emprestou o nome e serviu de maravilhosa paisagem para suas estripulias geológicas de cavar fundas jazidas para inverter serras, que viraram buracos, e depois se reduziram a retratos doloridos na parede de poetas.

A CVRD já tinha muita história ao ser vendida, em 15 de maio de 1997. Mas tudo que fez em 55 anos como estatal, que saiu do papel com a missão de fornecer o minério vital para o esforço das nações Aliadas na Segunda Guerra Mundial contra as potências do Eixo (assim como a Companhia Siderúrgica Nacional, em Volta Redonda, Rio de Janeiro), foi multiplicado nos 15 anos seguintes como empresa privada.

O que a Vale já fez em Carajás, 550 quilômetros a sudeste de Belém do Pará, não encontra paralelo na crônica do desmonte de vários dos picos semelhantes ao de Cauê, espalhados por uma das regiões mais belas e de maior densidade histórica e cultural do Brasil, nas antigas Minas Gerais.

O trem da estrada de Vitória (no Espírito Santo) a Minas, de 150 vagões, que era o maior do mundo no poema de Drummond, não chega perto do trem de Carajás, hoje o maior de todos, “como nunca antes”, à Lula.

O trem que corre pelos 892 quilômetros da ferrovia de Carajás ao porto da Ponta da Madeira, na ilha estuarina de São Luiz do Maranhão, inaugurada em fevereiro de 1984, tem mais do que o dobro de vagões. São 330, que se estendem por quatro quilômetros de extensão.

A composição faz nove viagens por dia. Leva o equivalente a 30 milhões de dólares de um minério ainda mais puro do que o de Itabira, o mais rico da crosta terrestre.

Em 2010 o trem parou por vários dias. Uma chuva torrencial inundou toda a parte mais baixa do Maranhão. Os agrupamentos humanos espalhados por uma das regiões mais pobres do Brasil, reduto eleitoral do clã Sarney, ficaram isolados e pessoas morriam ou passavam fome.

Enquanto esse drama social acontecia, a tecnologia, o dinheiro, a inventividade e 500 trabalhadores, recrutados para o serviço de levantar diques dos dois lados dos trilhos, se combinaram, sob o comando dos engenheiros da Vale, para fazer a composição cruzar as águas.

O trem parecia um animal anfíbio de aço. Nem a enchente o parou. Talvez sobreviva até a um novo dilúvio Noelino. O homem é um capeta no sertão, diria o também mineiro Guimarães Rosa, que de sertão entendia

No mês passado houve outra paralisação, dessa vez porque uma ponte em obra desabou. Só três pessoas ficaram feridas, no registro estatístico. Mas 300 mil toneladas de minério deixaram de ser embarcados nos gigantescos navios (um só engole toda essa carga em seu estômago de aço).

Os graneleiros atravessam os mares para levar o ferro para o seu maior consumidor, a China, que fica com 60% da produção de Carajás. Outros 20% vão para o Japão.

No ano passado a produção foi recorde: 110 milhões de toneladas, um terço de todo minério que a Vale produziu, com um diferencial: é o filé-mignon do ferro.

As jazidas de Carajás deviam durar 400 anos, mas talvez não cheguem a 100. A produção vai dobrar até 2015. O Pará será o maior exportador de ferro do mundo. Produzirá tanto quanto os Estados Unidos no pós-guerra.

Ótimo para a Vale (que teve lucro de 30 bilhões de dólares no ano passado, nove vezes o valor da privatização), para a China, para os demais compradores. E para os paraenses?

Os paraenses importam pouco. Seu Estado é o 16º em desenvolvimento (IDH) e 21º em PIB per capita (a riqueza dividida pela população) O que importa é o ritmo do trabalho para desmontar as serras, transformá-las em lascas e colocá-los no trem, daí embarcando em navios e sendo levadas para bem longe. O resto é detalhe.

Como o lamentável acidente que aconteceu em Carajás no dia 31 de março. Uma árvore desabou sobre um ônibus que seguia pela Estrada do Manganês, numa das áreas de mineração da empresa, matando três e ferindo nove dos seus ocupantes.

À parte a tragédia, acontecendo agora de forma ainda não registrada, um detalhe me chamou a atenção: continua a se chamar Yutaka Takeda o hospital do núcleo urbano de Carajás, em Parauapebas, o 2º município que mais exporta no Brasil (e uma tragédia em indicadores sociais).

Quando soube da homenagem prestada pela então estatal, no início dos anos 1990, protestei de público. A denominação original do hospital era Nossa Senhora de Nazaré. Nada mais natural e merecedor de aplausos.

Afinal, trata-se da padroeira dos paraenses, que lhe consagram, em Belém, a maior romaria religiosa do mundo. Procissão que conta com mais de um milhão de pessoas.

Como a CVRD queria homenagear o big boss da Mitsui, a maior compradora de minério de ferro de Carajás na época, que encontrasse outra forma de bajulação. Inadmissível era fazer a troca da santa pelo executivo, da cultura nativa pela lembrança exótica – e utilitária.

Um alto executivo da companhia me garantiu que o hospital voltaria ao seu nome inicial; e me desliguei do assunto.

O grave acidente do dia 31 me mostrou que fui enganado. Eu e os paraenses que acreditavam que a Vale dava tanta atenção aos seus clientes quanto aos donos da fantástica província mineral, por ela explorada sob concessão do governo federal.

Se o que importa é quem comparece à boca do caixa, então que se substitua o nome do executivo japonês pela do capitalista chinês. A China compra, hoje, muito mais minério de ferro do que o Japão de Yutaka Takeda. Por muito mais do que 30 dinheiros.

Para essa maravilha o poeta Carlos Drummond de Andrade não dedicaria os seus versos.

Anúncios

Discussão

8 comentários sobre “Carajás: Itabira sem Drummond

  1. Olá Lucio, gostaria de ler também algo sobre as ações da Vale em outros países, pois li certa vez que no ano passado houve um seminário sobre os “atingidos pela Vale” e nesse seminário havia pessoas de diferentes estados do Brasil e de vários países. Então se vc souber mais sobre tal assunto e puder disponibilizar, ficarei grata.

    Publicado por Luclécia Silva | 12 de abril de 2012, 10:53 am
  2. O sonho de um povo seria ter um governo que transformasse as riquezas em benefícios, tais como hospitais escolas estradas enfim o povo seria beneficiado com os bens que deveria ser de todos.
    O lucro que o povo e o planeta terão serão os efeitos de uma natureza destruída e um a terra devastada sugada até a sua última gota de riqueza.
    Como pode um governante chegar e decidir quem serão os novos donos e beneficiários de um dos melhores pedaços do planeta? Existe corrupção maior que essa?

    Publicado por Clademir Marques | 12 de abril de 2012, 11:02 am
  3. Olá, Lúcio Flávio. A verve e o rigor de sempre. A minha interpretação talvez seja míope, mas entendi que considera a tragédia da Vale em Carajás e no Maranhão muito maior, a ponto de ser um luxo falar do caso de MInas Gerais. Modestamente, acho que os métodos e a lógica de Carajás nasceram em Itabira. Lembro também que a exaustação das jazidas e, portanto, o futuro exaurido das cidades estão muito mais próximas em Minas do que no Pará. Lembro também que, com a compra da Ferteco, da MBR, da Samarco e das minas da Bozzano Simonsen, a Vale ainda produz mais minério de ferro em Minas do que no Pará e a um ritmo avassalador. Drumond falou do cenário nas décadas de 1940, 1950. Não chegou a conhecer os novos trens da Vale nem as novas minas nem os novos caminhões das décadas de 1990, 2000. Teria achado o seu poema ingênuo. Por tudo isso, acho que a tragédia, no fundo, é a mesma. Se puder divulgar o meu vídeo “Devastação Sem Compensação” ficaria muito grato.
    Abraço,
    Bernardino Furtado.

    Publicado por bernardino furtado | 12 de abril de 2012, 2:53 pm
  4. Obrigado pela mensagem.
    Se dei a impressão de que o caso de Minas é menos grave do que o do Pará, foi impressão falsa. A gravidade é a mesma, diferente apenas no tempo e no espaço. Hoje a capacidade de destruição é maior (como a de exploração) e Carajás está a quase mil quilômetros do litoral, onde a civilização brasileira continua a arranhar a arranhar a praia, como na época de Anchieta e Nóbrega. A lacuna, para nós, é não termos um Drummond para expressar nossa perda e canalizar nossa indignação. Mande o link para os leitores do blog desfrutarem do seu belo e instrutivo trabalho.

    Publicado por Lúcio Flávio Pinto | 12 de abril de 2012, 7:31 pm
  5. Prezado Lúcio Flávio: Está sendo transmitido pelo youtube, ao que parece filmado nesta última semana santa, um vídeo mostrando uma composição com inúmeros vagões transportando minério da CVRD (recuso essa alcunha ilícita de “Vale S/A”) e não resisti à tentação de relembrar o que disse aquele tido por quem sabe como o maior Poeta Brasileiro:

    “O Maior Trem do Mundo
    (Carlos Drummond de Andrade, 1984)

    “O maior trem do mundo
    Leva minha terra
    para Alemanha
    leva a minha terra
    para o Canadá
    leva a minha terra
    para o Japão.
    *
    O maior trem do mundo puxado por cinco locomotivas à óleo
    diesel
    engatadas geminadas desembestadas
    leva o meu tempo, minha infância, minha vida
    triturada em 163 vagões de minério e destruição.
    O maior trem do mundo
    transporta a coisa mínima do mundo
    meu coração itabirano.
    **
    Lá vai o maior trem do mundo
    Vai serpenteando, vai sumindo
    E um dia, eu sei, não voltará
    Pois nem terra, nem coração existem mais”.

    Publicado por Eloá dos Santos Cruz | 15 de abril de 2012, 3:35 am
  6. Lucio Flávio, após 73 anos de exploração e poluição ambiental (do ar e águas) existe um comentário que a Vale explorou o que tinha que explorar do Cauê e nada deixou de frutífero em Itabira, irá encerrar as suas atividades na cidade. Pode ser bonito o que você escreve, mas a verdade que a CVRD boicotou tudo de empreendedorismo na cidade.

    Publicado por Nádia | 12 de maio de 2015, 10:43 am

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: